Contatos: (11) 2609-7574 - (11) 95042-1221 (Whats app) - E-mail: saopedroapostolo@santoamaro.org.br

Horários de Missas: Terça e Quinta-feira às 20h | Sábado às 17h | Domingo às 8h, 9h30, 11h e 19h

End: Rua: Prof. Guilherme Belfort Sabino, 953 – Vila São Pedro - 04678-001 - São Paulo, SP

Notícias › 26/09/2019

O Papa: a mornidão espiritual transforma a nossa vida num cemitério

cq5dam-thumbnail-cropped-1000-563

O Papa Francisco celebrou na manhã desta quinta-feira (26/09) a missa na capela da Casa Santa Marta e, na homilia, comentou a Primeira Leitura proposta pela liturgia do dia, extraída do livro de Ageu.

Trata-se de um texto forte, em que, através do profeta, o Senhor pede ao povo que reflita sobre o seu comportamento e o mude para reconstruir a Casa de Deus.

Um povo que não confia e não quer arriscar

Ageu, disse o Papa, buscava agitar o coração do povo preguiçoso e resignado a viver como derrotado. O Templo havia sido destruído pelos inimigos, tudo estava em ruínas e aquele povo havia passado os últimos anos assim, até que o Senhor envia o seu eleito para reconstruir o Templo”.

Mas o coração dessas pessoas estava amargurado e não tinham vontade de trabalhar. Diziam: “Mas não, para quê, talvez é uma ilusão, melhor não arriscar, vamos ficar assim …”. Aquelas pessoas, prosseguiu, “não tinham vontade de se levantar, não se deixavam ajudar pelo Senhor que queria resgatá-los”, com a desculpa de que o tempo certo ainda não havia chegado.

E este é o drama dessas pessoas, e também o nosso, quando somos tomados pelo espírito de tepidez, quando vem aquela mornidão da vida, quando dizemos: “Sim, sim, Senhor, tudo bem… mas com calma, calma, Senhor, vamos deixar assim … Amanhã eu faço!”, para repetir o mesmo amanhã e amanhã adiar para depois de amanhã e depois de amanhã adiar ainda… e assim, uma vida para adiar decisões de converter o coração, de mudar de vida …

A mornidão espiritual é “a paz dos cemitérios”

É uma tepidez, afirmou Francisco, que muitas vezes se esconde atrás de incertezas e, enquanto isso, é adiada. E assim muitas pessoas despediçam a sua vida e acabam “como um farrapo porque não fizeram nada, só mantiveram a paz e a calma dentro de si”. Mas esta é “a paz dos cemitérios”.

Quando nós entramos nesta tepidez, nesta atitude de mornidão espiritual, transformamos a nossa vida em um cemitério: não há vida. Há somente fechamento para que não entrem os problemas, como essas pessoas que “sim, sim, estamos nas ruínas, mas não arriscamos: melhor assim. Já estamos acostumados a viver assim”.

O Senhor pede hoje a nossa conversão

O Papa advertiu que tudo isso acontece também a nós “com as pequenas coisas que não vão bem, que o Senhor quer que mudemos”. Ele nos pede a conversão e nós respondemos: amanhã. Eis o convite à oração:

Peçamos ao Senhor a graça de não cair neste espírito de “cristãos pela metade” ou, como dizem as velhinhas, “cristãos de água de rosas”, assim, sem substância. Cristãos bons, mas que trabalham tanto – semearam muito, mas colheram pouco. Vidas que prometiam muito e, no final, não fizeram nada.

Que o Senhor nos ajude, concluiu o Papa, a “nos despertar do espírito de tepidez” e a lutar contra “esta anestesia suave da vida espiritual”.

Via Vatican News

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *