Contatos: (11) 2609-7574 - E-mail: saopedroapostolo@santoamaro.org.br

Horários de Missas: Terça, Quinta e Sexta-feira às 20h | Sábado às 17h | Domingo às 8h, 9h30, 11h e 19h

End: Rua: Prof. Guilherme Belfort Sabino, 953 – Vila São Pedro - 04678-001 - São Paulo, SP

artigos › 03/09/2018

Você tem uma família “perfeitamente imperfeita”? Então você está com sorte

Geralmente experimentamos uma avaliação de nosso papel como pais no final da nossa vida.

Somente quando enfrentamos nossas últimas horas, percebemos que fizemos o melhor que conseguimos para criar nossos filhos, que nós realmente lhes demos uma boa infância.

Mas por que demora mais de 60 anos para pensarmos nisso? Por que não nos sentirmos orgulhosos do fato de que podemos ter uma “família perfeitamente imperfeita” muito mais cedo?

O pedagogo e professor de filosofia espanhola Gregorio Luri lembra o momento preciso em que ele examinou seu trabalho como pai e descobriu que, mesmo que ele não fosse um pai modelo em todos os sentidos, ele ainda era um bom pai.

Ele conta que ele estava fazendo o jantar quando ouviu seus filhos (agora casados ​​e com filhos) rindo de forma alucinante enquanto contavam histórias sobre suas experiências mais memoráveis dele como pai.

“Eu voltei para o fogão bastante feliz, porque, de repente, eu descobri na risada deles algo muito importante: que todas as coisas com as quais eu não estava muito orgulhoso não deixaram feridas em meus filhos, mas deram-lhes alimento para o humor. Parecia que esta era uma prova magnífica do que um bom pai é – isto é, um pai normal e imperfeito. A partir desse dia, comecei a fazer as pazes com minhas imperfeições passadas”.

Luri expande esse foco no amor através da imperfeição em seu livro Elogio de las Familias Sensatamente Imperfectas.

Ele explica: “A criança que cresce sabendo que ela pode ser amada apesar de suas imperfeições (não por causa delas) aprende a suavizar suas pequenas falhas para merecer o amor que ela recebe. Claro, ela sempre terá alguma imperfeição ou outra, mas é um sinal de amor recíproco quando alguém se torna disposto a melhorar para merecer o afeto do outro”.

Luri diz que é dentro da família normal que vemos as diferentes versões de nós mesmos (as boas e as más), onde aprendemos a seguir as melhores versões de nós mesmos e onde formamos hábitos de autocontrole e liberdade responsável.

Ele nos lembra que nossa “família normal” é o maior lugar de solidariedade natural que jamais conheceremos em nossa vida. Numa família imperfeita, mas saudável, “a solidariedade não é negociável. É livre de negociações e táticas. Permanece sólida quando tudo muda”.

Luri estabelece uma série de “direitos” que toda criança em uma família “perfeitamente imperfeita” deveria ter:

Ficar distraído, mas nem sempre de forma passiva

Uma criança que só se diverte consumindo os produtos oferecidos por uma tela ignora que ela é capaz de se propor a realizar atividades divertidas. Ela esquece que pode se mover, investigar coisas, fazer exercícios, estabelecer metas e se esforçar para alcançá-las, aproveitando o sucesso, e assim por diante.

Aprender a pensar falando sobre os motivos

Se queremos ajudar nossos filhos a pensar, vamos dialogar com eles, porque nada estimula tanto o cérebro quanto a boa conversa. O diálogo que ensina as crianças a pensar é o que chega aos “motivos”. Quando dialogamos, aprofundamos as razões pelas quais os demais agem; quando pensamos, também entramos em nossas próprias razões. Os motivos são expressos em argumentos, enquanto as opiniões são baseadas apenas em nossa própria perspectiva.

Aprender a desfrutar do silêncio e da interioridade

Se não podemos lidar com o silêncio, como vamos aprender a nos ouvir? Não é fácil aprender a ficar com nossos próprios pensamentos se nos aborrecemos por estar sozinhos. Concentrar-se exige esforço, mas o prêmio é melhor autoconsciência e autocontrole. O silêncio, a capacidade de desfrutar o silêncio, é uma atividade; não é apenas ficar quieto. É uma atividade que nos ajuda a entrar em nós mesmos.

Conhecer os valores da sua família observando seus pais

Nossos filhos sabem muito bem quando estamos moralizando e quando estamos agindo de acordo com nossas convicções. No primeiro caso, eles nos veem em um pedestal, pregando-lhes sobre o que eles têm e o que não têm que fazer. No segundo caso, eles veem que estamos mostrando nossa estatura moral exata e estamos ensinando o que fazemos e o que somos… e é quando somos mais dignos de confiança. Nós ensinamos nossos filhos a maneira como manter uma casa limpa com o estado da geladeira ou do lixo, com a maneira como fazemos nossas camas todos os dias, com os rituais das nossas refeições etc. Umberto Eco disse que “somos o que nossos pais nos ensinaram quando não estavam tentando nos ensinar nada”. Nós educamos por osmose.

Aceitar que você nem sempre consegue o que deseja

A vida também é imperfeita, assim como os pais.

Usar as palavras mágicas

“Por favor”, “obrigado”, “desculpe”, e “eu confio” são as palavras mágicas, a “estrutura básica da cordialidade”. Também são palavras mágicas porque facilitam as relações sociais, então é muito ruim não usá-las.

Navegar em alto mar

As crianças são como barcos, e é claro que elas encontram segurança no porto, mas precisamos insistir para que elas não sejam feitas para ficar ancoradas, mas para navegar em águas mais profundas e enfrentar a vida por conta própria.

Devemos confiar nos nossos filhos, embora estejamos muito conscientes de suas fraquezas e dos perigos potenciais que poderiam enfrentar. Precisamos confiar neles porque não irão crescer de outra forma.

Gregorio Luri conclui explicando: “Há muitas dificuldades e não somos tão sábios, mas tenho que dizer que quando você tem seu neto ao seu lado e você olha para trás, você descobre com alguma satisfação que sua vida familiar tem sentido. Um dia você aceitou que ser um bom pai significava ensinar seus filhos a viver sem você, e agora você descobre que eles conseguiram devolver o amor que receberam. E para um pai imperfeito, não há preço na satisfação íntima que isso dá”.

Via Aleteia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *